22/01/2008

Uma "Ilha" chamada Suíça

Pois é, estive por um dia na Suíça. Passei um dia de farofeiro em Genebra: comprei um bilhete de trem a preço promocional, coloquei uns sanduíches-íches e uma garrafa d’água na mochila, peguei a máquina fotográfica, e fui farofar. É lógico que um dia não é o suficiente para se conhecer um país, mas mesmo nesse curto tempo, com um pouco de atenção, conseguimos extrair algumas informações interessantes.

A Suíça é uma verdadeira “ilha” no meio da Europa, pois ela não faz parte nem da União Européia e nem do Espaço Schengen. Para entrar no país, é necessário passar pela aduana e apresentar o passaporte (não vou contar que um amigo meu entrou e saiu sem passaporte, senão pega mal para a guarda suíça). A moeda por lá também é diferente; eles continuam usando o Franco Suíço.

A Suíça é por tradição um país neutro. Tão neutro, tão neutro, que se você tentar jogar cara-ou-coroa com uma moeda de Franco Suíço, é capaz de terminar em empate. Ao caminhar por Genebra, pude ver as consequências desta neutralidade: uma boa parte dos organismos internacionais como ONU, OMS, OMPI, OMM entre outros possuem sede por lá. E como consequência, pessoas de diversas nacionalidades circulam pela cidade, falando os mais diferentes idiomas.

Por outro lado, quem caminha por Genebra nota que os suíços fazem questão de declararem a sua nacionalidade e a sua diferença. Bandeiras da Suíça estão espalhadas por toda a cidade; para onde se olha, sempre tem uma bandeira vermelha com a cruz branca.

Por outro lado, todo este orgulho às vezes beira a intolerância. Um guia turístico voluntário que nos apresentou um dos pontos turísticos de Genebra relutou em falar francês (mesmo que o francês seja um dos quatro idiomas oficiais do país). A cada vez que ele se referia à França e aos franceses, narrava os fatos com um certo ar de desprezo aos "vizinhos", ou fazia questão de ressaltar a vontade que os franceses tinham em anexar Genebra ao seu reino.

No próximo capítulo: Alpes, chocolates, canivetes, relógios...

E com esta narrativa quilométrica, o Neurônio Nervoso atinge a marca de 300 postagens !

4 comentários:

Vitor disse...

Que legal!
Cara, adorei o blog...visitarei sempre....
Poxa, viajar pela Suiça deve ser o máximo, sair andando e vendo coisa nova, demais!...
Abraços.
paginasdovitor.blogspot.com

Bruno disse...

Cara, a Suíça deve ser mesmo show. Uma vez passei uma tarde esperando uma conexão no aeroporto de Zurique.
Lá deu pra sentir esse orgulho de declarar sua nacionalidade deles. Em todas as lojinhas havia vários tipos de coisas a venda com a bandeirinha da Suíça. Da minha viagem pela Europa foi o aeroporto com os melhores produtos, e todos enfatizando que são "made in swiss".

Outra coisa: no Wikipedia diz que a Suíça faz parte do espaço Schengen

Abraço

sou leitor assíduo do seu blog

Ana disse...

oi Mauricio,

o Bruno tem razao: mesmo nao fazendo parte da Comunidade Européia, a Suiça "interage" com ela através de acordos bilaterias, como eles chamam (a "ilha", como vc diz, nao poderia sobreviver sem a Europa- economicamente falando). existem varios acordos, como por exemplo, o ALCP - acordo sobre a livre circulaçao de pessoas - q permite a qq suiço ou a qq europeu comunitario de se instalar e trabalhar na Suiça, e vice-versa. qt ao espaço Schengen, a Suiça concluiu mais um acordo bilateral neste sentido em 2004, que entra en vigor nesse ano, daqui a uns dois ou três meses. o fim das aduanas estah perto. :-)

Anônimo disse...

Pelo visto essa pessoa tem que andar mais pela suica
pois tem muito mais atraz disso tudo.... a suica nao se resume a Geneve ok... hehehe
tenta da um passeio pela capital em
Bern e voce vai ver muita coisa interecente alen de relogio canivete chocolate e alpes...
sera que voce sabe citar essas 4 linguas? e se eles continuam a usar o franco suico deve ser porque o mundo quer abrir conta na suica hhehehe