07/03/2008

Entendedores, Aprendizes e Vira-Latas

Acabo de chegar de uma feira de vinhos. Me veio em mente de fazer um pequeno relato de como as coisas acontecem nestas feiras, afinal o vinho ocupa uma parte importante na cultura francesa.

As feiras de vinhos acontecem ao longo do ano nas principais cidades francesas, e são organizadas por associações de vignerons (produtores de vinho). Nestas feiras, produtores oriundos das diversas regiões vitivinícolas francesas trazem os seus vinhos para degustação e comercialização. Há grandes feiras, com mais de 500 expositores, e feiras menores, como a de hoje, com cerca de 80 expositores.

Em tese, o ingresso do público à feira é pago, variando entre € 2,50 e € 8,00; na prática, quase todas as pessoas recebem pelo correio um ou mais convites gratuitos, válidos para duas pessoas, por terem comprado vinhos em outras feiras ou por ter comprado vinho em sites patrocinadores da feira. Na entrada, recebe-se sempre uma taça para a degustação.

O público das feiras é bastante variado, mas ele pode ser facilmente subdividido em grupos. Um primeiro grupo é o dos grandes entendedores de vinho. Eles conhecem cada região produtora, cada tipo de uva utilizado, e até os detalhes do processo de fermentação da uva. Estes sujeitos são aqueles que escolhem cuidadosamente os stands a serem visitados, e que. degustam os vinhos seguindo sempre a ordem correta (brancos primeiros, tintos depois, tudo sempre do mais suave para o mais forte, do seco para o adocicado). Uma vez escolhidos os bons vinhos, os grandes entendedores compram uma ou mais caixas de 6 ou 12 garrafas, que são armazenadas na cave, para serem e consumidas ao longo do ano.

Um segundo grupo é o dos aprendizes. Estes ainda não entendem tanto de vinho quando os sujeitos do grupo anterior, mas já sabem distinguir alguns vinhos mais conhecidos (um Bordeaux, um Bourgogne, um Médoc, um Côtes du Rhône), e também já sabem algumas das boas maneiras da degustação. Por outro lado, os aprendizes ainda degustam meio aleatóriamente de um stand a outro, buscando aumentar a sua base de parâmetros de comparação. Entre uma taça e outra, os aprendizes acabam comprando algumas garrafas, para degustar mais tranquilamente em casa.

O terceiro e último grupo é o dos leigos (ou vira-latas, como diz um grande amigo meu). Trata-se daqueles indivíduos que vão à feira por ser de graça, e que chegam ao local já pensando em "lavar a égua". Os leigos vagam aleatóriamente entre stands, com o objetivo fixo de manter a taça sempre cheia. Em alguns casos, para obter maior sucesso, os leigos até arriscam alguns diálogos com os produtores, valendo-se de chavões do vocabulário enológico de base. Mas no final das contas, os leigos não compram nada.

Como esta é a terceira vez que vou a uma feira de vinhos, arrisco dizer que estou em algum lugar entre o grupo dos vira-latas e o grupo dos aprendizes. A oportunidade de frequentar estas feiras acabou por atrair um pouco mais a minha atenção para o assunto. Nestas feiras, pude ver que a degustação de vinhos pode ser algo complexo (para aqueles que assim o desejam), mas também pode ser um momento simples e agradável de discussão e aprendizado através de um bate-papo com os produtores.

Um comentário:

Marcelo disse...

Aeh garoto, tudo beleza.
Acesso o "Neuronio" normalmente direto pelo orkut, tudo bem que ele é azul-bebê la, mas o mais curioso foi ver este texto duplicado. É verdade, se puder de uma olhada, o texto dos vinhos aparece duplicado la, por isto resolvi olhar direto no blog para ver se tinha alguma diferença. O orkut esta cada vez mais cheio de erros, um dos erros principais é não abrir os links postados no blog, ai o que eu faço: venho até o neuronio original e visito os links normalmente. No mais tudo tranquilo, Abraço.